Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Do susto e medo a redenção!!!


Crashdumps no servidor assustaram a direção de prova antes da Etapa 2 da IMSA Series. A corrida, que estava programada para ser realizada no autódromo virtual de Daytona passou por testes dias antes e foram encontrados muitos erros sem explicação na instalação.
A alternativa encontrada pela liga foi utilizar uma das pistas nativas do simulador e, por "parentesco" com a categoria, a escolhida foi Montreal. E o resultado foi uma corrida pra lá de emocionante com pegas nas duas classes, e campeonatos se embolando na briga pelo titulos de cada classe, tranformando a etapa em uma redenção perante os problemas.

CLASSIFICAÇÃO:
O pouco tempo de treino (apenas dois dias) poderia trazer surpresas para a definição de grid, visto que alguns pilotos não teriam possibilidade de treinar como outros.
A surpresa aconteceu. Todos conhecem o nível elevadíssimo de Bruno Miranda, principalmente nos monopostos das categorias americanas, mas nos Endurances o favorito é sempre Fabrício Matheussi. Porém Bruno não quis saber, fez o dever de casa e cravou a pole para a etapa. Matheussi foi apenas o terceiro, à mais de meio segundo de Bruno. Entre eles, apenas dois décimos de segundo atrás de Bruno, estava Felipe Lima. Neto Silva foi o quarto e Carlos Barreto, pódio na primeira etapa, o quinto. Porém o piloto não consegue alinhar e Rodrigo Vicente herda a posição para a largada.
Na GT a dupla da Frozen dominou. Thiago Procopio fez um temporal pra cima de seu parceiro de equipe para garantir a pole. Leandro Werle, mesmo sem a volta ideal, conseguiu garantir o segundo posto. Foram seguidos de Rodrigo Kbessa, Ricardo Prediger e Ernesto Brock.



CORRIDA:
O simulador de Neto Silva "crasha" logo na volta de apresentação e o piloto deixa um buraco no grid. Leandro Werle também cai e, Rogério Reis, que não alinhou mas largaria dos boxes, também cai, mas ainda assim tendo 28 carros em pista.
Matheussi não larga tão bem e não consegue segurar as investidas de Rodrigo Vicente. Com o carro menos carregado aerodinamicamente, Vicente até chegava a perder a posição no miolo do circuito, mas recuperava de forma fácil nas retas.
Problemas para Gilberto Rincha o jogam no meio dos GTEs e, na liderança, Felipe passava por Bruno e começava a tentar impôr seu ritmo.
Na GTE, inclusive, tudo seguia muito tranquilo e as primeiras brigas começavam a se formar.
Quando o pelotão dos DPs começa a chegar nos GTE, o primeiro problema. Philipe Henrique freia muito cedo e assusta Felipe Lima. O toque foi inevitável e possibilitou Bruno encostar novamente pela briga na ponta. Todos seguiram sem problemas.
A maior disputa da corrida se formava na GTE. Ernesto Brock e Alisson Borges formaram uma disputa incessante por nada mais nada menos que 30 minutos.
Na ponta um toque de Bruno em Felipe causa uma mudança na liderança. Matheussi, que nada tinha a ver com a briga, aproveitou que Bruno esperava para fazer o fairplay e passa pelos dois e, nesse momento, a dupla da RW assume a liderança. Porém nada definido, pois a corrida ainda guardava muitas surpresas.
Bruno se desconcentra após o incidente e erra sozinho, perdendo mais tempo em relação aos líderes. Ali a briga da vitória se despediria para Bruno.
O carro da DP é complicado, é um carro potente e necessita 110% de concentração e essa dificuldade fez mais vítimas. Emerson Czerkawsky e Anderson Medeiros também são vítimas do erro causado pelo carro traiçoeiro.
Pela GTE a dupla da RW, Rodrigo Kbessa e Alisson travam uma bonita batalha, tal como Alexandre Oliveira e Newlo Nunes, que travaram um belo duelo na briga da oitava posição dos GTs.
Restando 53min de prova a primeira bandeira amarela em todo o circuito. Era o momento de começar a definir a vitória de ambas as categorias. E na GTE a maior chance de alteração na ponta acontece! Thiago Procopio cai durante a amarela e deixa a briga para Ernesto Brock e os carros da RW, além do sempre presente na briga do pódio, Ricardo Prediger.
Uma bagunça generalizada nos pits. Alguns DPs entram, alguns GTEs também. O grid passa por várias mudanças de posições. Na DP a dupla da RW não pára e se mantém à frente, Anderson também não pára e assume a terceira. Já Bruno Miranda, que era o maior desafiante da RW, decide fazer sua parada. Na GTE, Brock, então líder, Rodrigo, Prediger, Alexandre e muitos outros entram. Alisson Borges não pára e assume a ponta.
Na parada Prediger pula para a segunda posição. A terceira fica para Edgar Horst Jr, da MTech, Brock e Kbessa caem para quarto e quinto, respectivamente.
Na volta da relargada, problemas para Vicente. Por queda de FPS o piloto é forçado à abandonar a corrida, para evitar incidentes com outros pilotos.
Bruno Miranda relarga muito forte, ultrapassa Anderson e logo parte pra cima de Matheussi, assumindo a segunda posição nos DPs e com um "conjunto novo".
A briga da GTE era ainda mais alucinante, com Prediger partindo pra cima querendo galgar a vitória da RW.
A disputa pela liderança da tabela da GT era a mais ampla e, um dos principais desafiantes, Ernesto Brock, perde o motor e é forçado à abandonar.
Um bom stint se forma, sem disputas tão ferrenhas mas ao mesmo tempo com a corrida agitada, deixando a prova correr.
Mudanças nas lideranças começavam a acontecer. A escolha de não parar em amarela se mostrou errada para a dupla da RW, quando Fabrício Matheussi é forçado à parar em bandeira verde. Ao mesmo tempo mudança na ponta da GTE, quando a RW de Kabessa passa pela RW de Alisson Borges e passa a guiar o pelotão na classe dos GTs.
Emerson nota que é momento de começar à definir a corrida, restando menos de 25 minutos para o fim e ataca Daniel Gomes pela terceira posição da Daytona Prototype.
Felipe Lima também é vítima do azar de não ter outra amarela e tem que parar em bandeira verde, deixando Bruno Miranda simplesmente sozinho, isolado na ponta, a mais de 20s de diferença para o então segundo colocado, Dani Gomes.
A outra RW, porém da GTE, também sofre o mesmo mal e tem que parar. Alisson Borges se despedia da briga pela vitória, voltando na sétima posição. O sempre constante Prediger assumia a segunda posição da categoria.
Anderson, com o carro muito danificado continuava com dificuldades e ia perdendo ritmo, na penúltima posição dos DPs.
Alisson tentava recuperar o prejuízo e já ultrapassava Alexandre (Zé da Meia).
Felipe Lima, assim como seu companheiro de RW da GTE, tenta recuperar o tempo perdido e parte para cima de Daniel Gomes, mas é tocado e ambos sofrem danos leves em seus protótipos. As duas RW se juntam novamente após a rodada de Lima ocasionada pelo toque e vão em comboio para atacar Daniel. Lima passa de forma tranquila, já Matheussi raspa tinta, mas também conclui a ultrapassagem.
Alisson seguia tentando galgar posições e encontra dificuldades com Edgar. Junto deles vinha um pelotão de DPs, com Tarso Marques, Emerson Czerkawsky e a dupla da RW, guiada por Felipe Lima.
A briga, que acontecia à mais de 34 segundos atrás de Bruno Miranda, envolvia os três carros e o fato de Emerson estar menos carregado de asa permitia uma ótima chance de defesa para o piloto da Paraguay, que já estava com o carro mais desgastado em relação a RW e defendia ferrenhamente sua posição no pódio.
Emerson, sob pressão, comete um pequeno erro, suficiente para Lima passar pelo piloto. Ambos ainda se assustam com Prediger que roda bem na entrada do segundo setor da pista, mesma curva que já havia pegado pilotos como Anderson, Bruno, o incidente entre Dani e Lima, entre outros.
Matheussi também ataca muito, Emerson tenta, mas não consegue segurar o terceiro posto frente o piloto da RW.
Kbessa, tranquilo na ponta, ainda traz um susto para o fim da corrida, rodando na última volta. Porém a vantagem construída pelo piloto o deixa ainda tranquilo na ponta e ele consegue vencer com méritos a etapa, assumindo a ponta da tabela dos GTLM


PUNIÇÕES
Cyro Santana - Não atendeu a recomendação de pedir permissão ao diretor de provas para abandonar a corrida, conforme combinado em briefing.
Ficara sem fazer a classificação na etapa de Sebring


PRÓXIMA ETAPA
O Circuito americano de Sebring recebe a ultima etapa do campeonato, com duração de duas horas e simulação de tempo em 10 horas a corrida começará ao equivalente as 14h e terminará as 0h.

VT DA ETAPA

Leia Mais... ►

Os 35 guerreiros da Martecc IMSA Series

Um spotter guide para você conhecer cada piloto e suas pinturas, da IMSA Series, que teve inicio nessa T4 na VORC Series, sendo uma das grande categorias de sucesso de publico.





Leia Mais... ►

Adrenalina na terra dos energéticos!!!


Pista com voltas em menos de 1 minuto e vários pilotos dentro do mesmo segundo era a receita de três corridas agitadíssimas na VORC Scirocco Cup.

CLASSIFICAÇÃO
No qualy novamente Thiago Procopio e Lucas Werle fazem P1 e P2. Caio Russi, Enzo Sofiato e Samuel Pontes fecham os cinco primeiros do qualy, porém Samuel cai na virada de sessão e o jogo não reconhece sua volta, jogando-o para o fim do grid e Alexandre Oliveira herda o quinto posto. Detalhe para os 10 primeiros colocados separados por menos de 1 segundo e até o décimo-sexto separados por 1,6 segundos.


BATERIA 1
Procopio erra o tempo da largada, cai para a quinta posição e vê Lucas disparar na ponta para não mais ser incomodado. Thiago recupera as posições com pushs em momentos alternados e consegue se livrar da disputa da terceira posição, se firmando em segundo. Nas demais posições do grid a pista com três pontos de uso do push to pass não dava tranquilidade para os pilotos. Em cada volta um piloto utilizava e em pontos distintos, o que fazia um piloto poder abrir a volta numa posição e terminar a mesma quatro posições atrás e na volta seguinte recuperá-las novamente.
Essa foi a tônica de toda a etapa, com disputas acirradas em todos os grupos de posição. Emerson Czerkawsky e Neto Silva faziam corrida disputando entre si e escalando juntos o pelotão. A disputa depois de certo tempo passou a valer a última posição à entrar na inversão de grid, dando o direito a largar na pole para a segunda bateria. A disputa era entre quatro pilotos pela vaga, Dani Gomes, Samuel Pontes, Emerson e Neto. Porém Neto na penúltima e Emerson na última volta tem que pagar punição por passar fora dos limites de pista e deixam a disputa.

Assim a bateria termina com Lucas Werle e Procopio nas duas primeiras posições, Alexandre (Zé da Meia) e Ernesto Brock depois de uma disputa caseira durante toda a bateria ficam em terceiro e quarto respectivamente. Werner Marote e Kleber Stippi não fazem diferente, disputam muito e terminam bem próximos. Destaque para Werner que galgou quatro posições e se firmou no top5 da bateria.
Enzo Sofiato fecha na sexta e Dani e Samuel passam lado a lado, mas o piloto da BSP não consegue ultrapassar e Dani sai na pole na bateria 2.

Detalhe também para Ulisses Oliveira em seu retorno ao AV após três anos, conquistando pontos pela Team Schnell em 11º



BATERIA 2
Procopio não demora para assumir a ponta na bateria 2 e desponta para a primeira vitória da noite. Lucas não consegue repetir o feito do rival e comete erros, tendo que pagar punição por corte de pista e não entra na zona de inversão.

Na segunda posição a briga era feia entre Ernesto Brock, Alexandre e Enzo Sofiato. A briga no limite fez Alexandre cometer um erro e deixando Brock e Sofiato para se resolverem. A disputa dos dois permitiu Procopio abrir e permitiu também Neto Silva, que saia de décimo, alcançar os dois no fim da bateria e brigar pelo pódio, chegando a figurar nele até a última curva.
Caio Russi fazia ótima corrida e saia da décima-oitava posição para ser o quinto colocado na corrida.
Dani Gomes não consegue segurar muito tempo o ritmo dos mais rápidos mas se garante novamente na inversão de grid, chegando em sexto e saindo de terceiro na Bateria 3. Fecham com ele os oito Alexandre e Emerson Czerkawsky, que diferentemente da primeira etapa do campeonato estava tendo apenas corridas conturbadas.


BATERIA 3
Alexandre assume a ponta e se mantém num ritmo bom até que Procopio chega. O piloto da BenKleR novamente buscava a vitória para se isolar ainda mais na ponta do campeonato. Vindo de trás Lucas Werle e Neto Silva trabalharam juntos e com pushs ensaiados e alternados com os pelotões em que disputaram, visando conseguir passar e deixar os outros disputando.

Deu certo. A dupla da BSP consegue passar para terceiro e quarto e assume a ponta quando Alexandre erra no S de alta e é forçado à pagar punição por corte de pista.
Ernesto Brock e Caio Russi fazem corrida disputada, tendo a presença de Enzo Sofiato na parte final da batalha.
Zé volta apenas na sétima posição e termina sozinho, assim como todos os seguintes sobreviventes, que não disputavam mais à essa altura da bateria. Fernando Esquitino, Kleber Stippi e Luciano Araujo fecham o Top10.

CAMPEONATO DE PILOTOS
Thiago dispara na ponta da tabela e abre 67 pontos do vice-líder Ernesto Brock, tendo apenas 69 pontos à serem disputados. A situação para o jovem piloto é agradável, precisando apenas fazer a pole na próxima etapa ou completar uma das três baterias na zona de pontuação para garantir o título.


CAMPEONATO DE EQUIPES
No campeonato de equipes a situação não é diferente, porém a disputa deve se concentrar mais dentre BSP Racing e Paraguay Racing AV pela vice posição no campeonato de equipes.
A briga pela vice liderança entretando se torna agitada, tendo Enzo Sofiato e Caio Russi como principais ameaças à Ernesto Brock.

PUNIÇÕES
Bateria 1:
E.Sofiato > Ernesto Brock - Brock punido em 20s em virtude do toque que ocasionou a rodada de Enzo Sofiato tendo também levado um segundo carro no acidente (Alexandre Oliveira) +4 pontos na carteira

H.Salgueiro > D.Gomes - Gomes punido em 20s em virtude do toque que ocasionou o abandono de Henrique. +4 pontos na carteira

A.Oliveira > E.Sofiato - Enzo bate em Alexandre no pós race, punido em 20s e +4 pontos na carteira conforme item do regulamento sobre lances pós races.

Bateria 2
E.Czerkawsky > Lu.Werle - Lucas punido em 10s por ultrapassagem irregular pela grama. +2 pontos na carteira.

Carteira:
Luciano Araújo - 4 pontos
Rodrigo Zanga - 2 pontos
Ernesto Brock - 4 pontos
Lucas Werle - 2 pontos
Enzo Sofiato - 4 pontos

PROXIMA ETAPA

O Traçado travado de Mogyoród, também chamado de Hungaroring receberá a grande final do campeonato, com Thiago Procopio brigando com Ernesto Brock, restando ao piloto da BenKler fazer miseros 2 pontos para se sagrar campeão do campeonato.

VT DA ETAPA

Leia Mais... ►

Um show chamado Imsa Series


E a primeira etapa da IMSA na VORC aconteceu na última sexta feira 17. Apesar de um problema com arquivos corrompidos da pista fez o evento ser atrasado em quase uma hora e ser encurtado em trinta minutos (sendo uma corrida de 60min apenas).
Entretanto isso não abalou o grid, que deu um show de comprometimento, esperou, abraçou a dificuldade da liga no momento e fizeram uma das corridas mais bonitas da VORC.

CLASSIFICAÇÃO
Não era surpresa pra ninguém Fabricio Matheussi cravar a pole. O piloto da RW Team cravou a pole, sendo seguido por seu parceiro de equipe Felipe Lima. Carlos Barreto, Bruno Miranda e Rodrigo Vicente completam os cinco primeiros do grid, todos da classe DP.
Na GTE a Frozen em sua primeira participação em corridas de duração mais longa garante a pole com Leandro Werle. Rodrigo Kbessa fica em segundo, seguido de Ernesto Brock, Allison Borges e Ricardo Prediger.


CORRIDA
Uma largada com 10 DPs e 20 GTEs prometia ser agitada. Nos DPs uma largada tranquila, já na GTE algumas rodadas no fim do grid marcam a largada após a reta oposta. Com isso a primeira amarela da etapa foi agitada.
Relargada tranquila com alguns pilotos abusando mais. Foi o caso de Vinicius Loyola, que força uma ultrapassagem em Neto e Daniel e chega a ir na grama, embaralhando quatro carros na disputa da sexta posição.
A corrida segue com muitas disputas, sendo destaques as disputas da sexta nos DPs e a da décima-nona posição, a nona dos GTEs, com Rogerio Reis e Marco de Andrade.
Nos GTEs, tirando os pilotos da ponta que abriram do restante do pelotão, muitas disputas dentre os 20 carros. Brigas envolvendo mais de 3 carros eram comuns.
Começam os incidentes na DP. Rodrigo Vicente toca Neto Silva  que vai para o muro e tem o carro destruído, mas não abandona. Duas curvas adiante Vinicius Loyola roda sozinho e vai para a grama.
A corrida seguia muito parecida nas duas classes, tendo os ponteiros da DP (Matheussi e Lima) despontando dos demais e na GTE Werle disparava.
Anderson e Neto, ambos os DPs da BSP, faziam corrida de recuperação após incidentes, sendo os únicos DPs a figurar em posições entre os GTEs.
Após 25min de corrida direto uma nova amarela pinta restando 15min para o final da corrida. Alguns pilotos aproveitam para fazer a última parada, já que o grid foi todo compactado novamente.
Ainda durante a amarela Rogério Reis causa um acidente no mínimo estranho. Todos controlados pelo Safety Car e o piloto não consegue segurar seu Aston Martin no freio na freada da curva 3, atingindo os pilotos do fim do pelotão à mais de 220km/h.
Carlos Barreto aproveita a relargada para pular para a segunda posição dos DPs, mas não por muito tempo. Na reta principal na volta seguinte Matheussi recupera a segunda. Mas dura pouco tempo. Graças a um erro individual Matheussi erra e cai para a quarta posição.
Felipe Lima aproveita dos erros de Fabricio e dispara na ponta após a relargada e garante a vitória.

 Carlos Barreto fica na segunda e Bruno Miranda consegue segurar a terceira e garantir o pódio.
Na GTE Leandro Werle lidera de ponta a ponta na GT e garante a vitória de forma tranquila.

 Prediger se aproveita de um toque de Brock em Kbessa para assumir a segunda posição e segue assim até o fim. Kbessa ainda fecha o pódio da categoria.


CAMPEONATO DE PILOTOS
CLASSE PROTOTYPE
Felipe Lima começa o campeonato como lider com 20 pontos, Carlos Barreto como vice lider, e Fabricio Matheussi em terceiro graças aos pontos bonus que conquistou.


CLASSE GTLM
Leandro Werle fez a corrida perfeita (pole, vitoria, volta mais rapida e maior liderança, já abre 7 pontos encima de Ricardo Prediger estando Werle com 23 pontos e Ricardo Prediger 16, Rodrigo Kbessa aparece como terceiro colocado com 14 pontos.


CAMPEONATO DE EQUIPES
CLASSE PROTOTYPE
A RW Team lidera com 32 pontos, contra 24 pontos da Paraguay Racing AV, A BMRS Motorsports surge em terceira no campeonato.


CLASSE GTLM
A Frozen surge lider com 23 pontos, 3 a mais que a Team Schnell que consta com 20 pontos, a Paraguay Racing AV com seu Corvette C7R é a terceira colocada com 18 pontos.


PUNIÇÕES
Rogerio Reis
Volta: 24
Em bandeira amarela o piloto acabou causando um acidente grave envolvendo vários carros.

O Piloto recebe 6 pontos na carteira e ficará sem qualifing na etapa de Sebring já que não completou a etapa de Road America.

PRÓXIMA ETAPA
Próxima etapa, será a corrida de 2 horas em Daytona, adicionando 30 minutos ao seu tempo inicial (1:30h) compensando o tempo perdido em Road America. a prova também contará com avanço de tempo em 10x.

VT DA ETAPA

Leia Mais... ►

Trinca de baterias disputadas o tempo todo, inaugura T4 da VORC Series!




Estreando um novo formato de baterias na VORC (3 de 15 minutos ao invés de 2 de 25) e um novo formato de pontuação para equipes (apenas o mais bem colocado da dupla pontuando), a Martecc Scirocco Cup fez sua estreia no autódromo virtual de Oschersleben.

CLASSIFICAÇÃO
O formato de duas voltas rápidas apenas continuou e Thiago Procopio nesse formato domina como poucos. O piloto não teve grande concorrência e garantiu mais uma pole position no grid da VORC.
Lucas Werle alcança a segunda posição, Alexandre Oliveira na terceira e Rodrigo Zanga e Enzo Sofiato fecham os 5 primeiros. Novamente as 3 equipes dominantes da VORC se embaralham nas primeiras posições.


BATERIA 1
O comentário de todos no grid é o mesmo: "Em baterias curtas Procopio é imbatível". E não foi diferente dessa vez. O piloto já chegou na primeira curva sem ser atacado e dali disparou.
Entretanto, nas demais posições, o esperado pra uma categoria de setup quase fixo e um carrinho de 235hp aconteceu. Foi disputa por toda parte.
Logo na segunda posição, ainda na primeira volta, Lucas Werle e Alexandre Oliveira se estranham e se tocam. Pior para Alexandre, que abandona, mas também ruim para Lucas que tenta ainda disputar a P2 mas também sucumbe ao fim do grid.
Emerson Czerkawsky faz boa escalada no grid e pula para a segunda posição.
O salseiro estava formado na briga pela pole para a segunda bateria, tendo briga da oitava à décima terceira posição. Samuel Pontes, Henrique Salgueiro, Felipe Muniz, Neto Silva, Marco de Andrade, Luciano Araujo lutavam todos em um só pelotão.
Procopio vence,

 Emerson Czerkawsky chega em segundo e Anderson Medeiros fecha o pódio. Um representante de cada uma das três equipes. BenKleR, Paraguay e BSP.
Salgueiro garante a pole para a segunda bateria.


BATERIA 2
Largada mais tranquila, Samuel assume a ponta e destaque para Procopio, que já ganha posições. Rodrigo Zanga escapa da pista no segundo setor, logo atrás Neto também o faz, mas atravessa pela grama descontrolado e acerta Lucas Werle, seu parceiro de equipe.
Na disputa da ponta, Enzo Sofiato assume a primeira, mas erra na curva um. Logo atrás Emerson Czerkawsky costura na reta e passa Procopio e Samuel de uma só vez, mas falta freio na curva um e cai novamente as posições.
As disputas nessa bateria se concentram mais no Top10. Procopio e Czerkawsky reassumem as duas primeiras e, na quarta posição, quatro pilotos disputam ferrenhamente. Anderson, Salgueiro, Brock e Samuel batalhavam em grupo.

 Ruim para Samuel, quando encontra Barina atravessado na saída da última curva batido e acerta-o em T.
A quarta posição depois se resume à uma disputa de Brock e Anderson, até que Alexandre Oliveira chega na disputa e, num toque lateral, Anderson sai da pista, caindo para oitavo.
Procopio mantém e vence, Emerson, mesmo com álcool no sangue garante a segunda e Caio Russi fecha o pódio.


BATERIA 3
Para a terceira bateria mix de azar e sorte para a BSP Racing. Na volta de apresentação exatamente ao mesmo tempo caem do servidor Lucas, Neto e Samuel, deixando apenas Anderson na pista representando o time.
E Anderson consegue. O piloto faz corrida de ponta a ponta, mas não tranquila. Na última volta o foguete Procopio aproveita de pequenos erros de Anderson e se aproxima perigosamente e os pilotos fazem uma das chegadas mais alucinantes e belas da VORC, separados por apenas 0.018s de diferença, menos de um parachoques.
Emerson pulava novamente para a segunda posição, mas uma reduzida forçada faz o motor de seu VW Scirocco voar bielas e abrir o bico.
A disputa do pódio era bonita entre os carros da Paraguay e BenKleR.
Kleber Stippi tem bateria difícil e sofre com saídas de pista, na última delas acertando os pneus da curva um.
Anderson vence,

 Procopio chega em segundo e Enzo, também da BenKleR, fecha o pódio.


CAMPEONATO DE PILOTOS
E Thiago Procopio da BenKleR Racers começa a temporada como lider do campeonato, com 62 pontos, 22 pontos a mais que Anderson Medeiros da BSP Racing, Emerson Czerkawsky (Paraguay Racing AV) mesmo com o abandono na terceira bateria, manteve entre os 3 primeiros do campeonato, este com 34 pontos conquistados.


CAMPEONATO DE EQUIPES
A BenKleR Racers já começa o novo regulamento de campeonato de equipes com a liderança com 62 pontos, contra 45 da Paraguay Racing AV, a BSP Racing pega as boas baterias fazendo 40 pontos e vindo no terceiro lugar.

PROXIMA ETAPA
A proxima etapa do campeonato será no circuito curto de Red Bull Ring, na Áustria em um traçado que contará com voltas em menos de 1 minuto.


PUNIÇÕES
Bateria 1 > Luciano Araújo vs Felipe Muniz
Luciano Araújo, punido em 20s em virtude do toque, que acabou empurrando o piloto Felipe Muniz na barreira de pneus [+4 pontos na carteira]

Bateria 3 > Rodrigo Zanga
O piloto utilizou-se dos faróis, porém conforme o combinado em briefing não era permitido por uma questão de instabilidade no mod, o que acabou afetando outros pilotos, o piloto tomou um DQ e ficará sem qualifing e recebe [+2 pontos na carteira]

VT DA ETAPA

Leia Mais... ►

A Grande final! depois de um arduo campeonato


A VORC Series Enfim encerrou a VTCC Series, um campeonato que foi árduo em alguns problemas, mas com o pilotos dando o máximo de si, a grande final ocorreu tudo bem em corrida bem disputada em Ibarra no Equador. foram 17 carros na grande final.

CLASSIFICAÇÃO

Ernesto Brock não dá chances aos rivais e crava mais uma pole no grid da VORC. Com uma volta em 1:16.1 o piloto bota 0.2 em cima de Beto Feler e sai na frente na última etapa da VTCC Series no autódromo virtual de Yacocha, vulgo Ibarra.
Neto Silva, Thallisson Santos e Bento Rosato fecham os cinco primeiros.



CORRIDA

Logo na largada uma escapada na curva 1 de Ernesto Brock faz com que ele e Beto fiquem presos, levem pancadas e caiam para o fim do grid. Melhor para o mineiro Neto Silva, que comendo pelas beiradas pula para a ponta logo na curva 1.
Quem também agradece é a dupla da Paraguay, Felipe Granado e Thallisson, que despontam junto com Neto na liderança da corrida.
Bento Rosato assume a quarta posição e faz uma corrida sozinha, sendo a única posição em pista não disputada. O piloto tinha uma diferença grande para a terceira e maior ainda para a quinta, não tendo problemas para impor seu ritmo e garantir bons pontos na disputa direta da vice-liderança do campeonato de equipes.
Na ausência do já campeão Gustavo Frigotto e com a batida de Brock e Beto na primeira curva, a corrida ficou, nas palavras de Granado, para a disputa dos meros mortais.
O título de equipes estava nas mãos da Paraguay Racing AV, mas o pessoal da BSP e BenKleR disputavam forte a segunda (e com chances de primeira) posição na tabela.
Neto e Granado num ritmo à parte disparam na ponta, fazem algumas poucas disputas mas não mudam de posição, indo assim até o final nessa que era a disputa entre "a primeira entrevista com o novo microfone de Neto" e a "primeira vitória de Granado".
No meio do grid muitas disputas, mas muitos toques. O quarteto Gilson Rodrigues, Kleber Stippi, Alisson Zanoni e Anderson Medeiros troca farpas durante grande parte da corrida, pior para a dupla da BSP.
Na disputa de equipes, após um toque de Zanoni e Gilson a BSP perde um escudeiro, complicando sua disputa pelo título e tendo que focar mais na defesa da segunda posição. Novamente Zanoni se envolve em toque com Anderson Medeiros e tira de vez as chances da equipe mineira brigar pela liderança, mas garantindo o vice.
Na tabela de pilotos Granado por apenas um ponto perde a vice liderança no campeonato para Ernesto Brock.
A Paraguay Racing garante todos os 4 troféus do campeonato, vencendo mais uma na "disputa particular" Paraguay X BSP.



CAMPEONATO DE PILOTOS
Gustavo Frigotto já vinha com o titulo em mãos, e na briga pelo vice, Ernesto Brock conseguiu a vice liderança do campeonato com 214 pontos, e Felipe Granado segurou o terceiro lugar no campeonato com 213 pontos.


CAMPEONATO DE EQUIPES
A Paraguay Racing AV confirmou o titulo de equipes encima da BSP Racing por 374 pontos contra 341 pontos, a BenKleR Racers ainda conquistou o terceiro lugar do campeonato.


VT DA ETAPA

Leia Mais... ►