Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Enfim, o grande dia chegou!!!





Reta final de campeonato! A Vorc Series realizou nesta sexta feira (24/03/2017) a penúltima etapa da temporada da Clio Cup nas ruas de Surfers Paradise, subúrbio da cidade de Gold Coast na Austrália. Vinte e um pilotos deixaram as belíssimas praias australianas de lado para se aventurar entre os apertados muros e chicanes deste desafiador circuito de rua em duas baterias agitadíssimas. Em jogo nada mais que a possibilidade título antecipado para Gustavo Frigotto.

Classificação
O elevado nível de dificuldade imposto pelo traçado de Surfers Paradise provocou a maior diferença de desempenho vista nos tempos de volta entre os pilotos até aqui. Embora os ponteiros, como de costume, tenham mantido um desempenho muito próximo, a diferença entre a volta da pole e volta mais lenta dada durante a classificação ficou na casa de 7 segundos.
Entre os ponteiros Gustavo Frigotto, único piloto com possibilidade de sagrar-se campeão por antecipação nesta etapa, começou bem a noite e faturou a pole position com uma impecável volta de 1:21.845 ampliando ainda mais sua vantagem ao conquistar o ponto extra pela volta mais rápida, Rafael Borgosman fechou a primeira fila com uma volta de 1:21.946. Caio Russi abriu a segunda fila com o tempo de 1:22.046, tendo ao seu lado Leandro Werle (1:22.133). Carlos Barreto (1:22.178), Thiago Procópio (1:22.914), Anderson Medeiros (1:23.164), Emerson Czerkawsky (1:23.615), Diogo Souto (1:24.250) e Ricardo Senior (1:25.287) fecharam o top 10.



1ª Bateria
A primeira bateria começou com Rafael Borgosman pulando bem na largada e assumindo a liderança seguido de perto por Gustavo Frigotto, Caio Russi e Carlos Barreto. Apesar da largada relativamente tranqüila não demorou muito para que os primeiros incidentes começassem a surgir.
Ainda no giro inicial Diogo Souto inaugurou os trabalhos e espancou sua HVM no muro ao errar a tangência de uma curva, na volta seguinte foi a vez de Geraldo Max e Roni Champ baterem praticamente ao mesmo tempo no ponto de saída da chicane após a reta principal. Emerson Czerkawsky, Thiago Procópio e Carlos Barreto engordaram a lista de acidentes nas voltas iniciais.
A primeira bateria se tornou uma corrida de sobrevivência e nem mesmo Gustavo Frigotto escapou ileso. O líder do campeonato, em sua perseguição a Rafael Borgosman, se tornou mais uma vítima da temida chicane e capotou. Por sorte o piloto conseguiu continuar na corrida, ainda que como carro bastante avariado e agora ocupando a sexta posição.
Beneficiado pelo acidente de Frigotto, Caio Russi assumiu a segunda posição e sentiu que era a o momento certo de apertar o ritmo para pressionar o líder. Volta a volta o piloto do Racer Clube vinha tirando a vantagem construída por Rafael Borgosman, que acabou errando e tocando o muro na saída da chicane abrindo espaço para a manobra de ultrapassagem de Caio Russi.
O novo líder da corrida, um dos poucos pilotos a completar a prova com o carro intacto, mostrou ter mais ritmo e abriu considerável vantagem nos minutos finais para garantir a vitória na primeira bateria, além de conquistar o ponto extra pelo maior número de voltas lideradas (10). Rafael Borgosman e Medeiros completaram em segundo e terceiro respectivamente. Thiago Procópio resistiu à pressão final de Gustavo Frigotto para cruzar a linha de chegada em quarto, enquanto o piloto da Minardi Team HVM encerrou sua participação na corrida inicial na quinta posição e garantiu o ponto adicional pela volta mais rápida da corrida (1:21.680). Carlos Reina, Leandro Werle e Tarso Marques completaram os oito primeiros que inverteram o grid para segunda bateria da noite.
O ponto extra pelo maior número de posições ganhas durante a corrida foi para Wendel George (9 posições).
Abandonos: Carlos Barreto, Ricardo Senior, Júnior Ferreira, Geraldo Max, Roni Champ, Raphael Arqueti, Neto Silva e Wendel George.
No dia seguinte ao evento a administração da liga aplicou as seguintes penalizações por excessos quanto ao uso da pista além de seus limites na curva 1.

Punições da 1ª Bateria
Rafael Borgosman = acréscimo de 50 segundos
Gustavo Frigotto = acréscimo de 45 segundos
Diogo Souto = acréscimo de 15 segundos
Neto Silva = acréscimo de 10 segundos
Anderson Medeiros = acréscimo de 5 segundos
Thiago Procópio = acréscimo de 5 segundos



Já computadas as penalizações o resultado oficial da 1ª Bateria foi:



2ª Bateria
Pilotos a postos para o início da segunda bateria. Tarso Marques e Leando Werle encabeçando o pelotão. As luzes verdes se acendem e Tarso Marques fez uma belíssima largada, pulando a frente com propriedade. Leando Werle não comprometeu e manteve a segunda posição, enquanto Gustavo Frigotto assumiu o terceiro posto ao largar melhor que Carlos Reina. O grid se agigantava para cima da temida chicane e, desta vez, a confusão foi grande. Em um acidente múltiplo, Thiago Procópio, Rafael Borgosman e Caio Russi se enroscaram e o carro de Borgosman acertou a barreira, seu carro ficou atravessado na pista e foi atingido em seguida por outros carros. Os pilotos seguiram, mas com seus carros bastante danificados, já Thiago Procópio acabou abandonando.
Ainda na primeira volta uma seqüência de eventos definiria o futuro da corrida. O líder, Tarso Marques enfrentou problemas de conexão e caiu do servidor, com isso Leandro Werle assumiu a ponta por alguns segundos, isso porque o piloto atacou demais a zebra, seu Clio inclinou sobre duas rodas e foi escorar no muro, com isso Gustavo Frigotto, que vinha em terceiro, ganhou duas posições de mão beijada e assumiu a liderança da corrida. Leandro Werle ainda perdeu posição para Anderson Medeiros e Carlos Reina em virtude do erro cometido.
A segunda bateria seguiu tão acidentada quanto a primeira. Após parar nos boxes para reparar seu carro, Borgosman se acidentou novamente, desta vez sozinho e abandonou a prova.
Após os conturbados primeiros cinco minutos de corrida os pilotos se realocaram na pista e a distância entre eles ficou um pouco mais espaçada do que na bateria anterior. Algumas disputas por posições aconteciam em pontos específicos, como na quinta posição em uma briga caseira entre as BSP de Atos Domani e Neto Silva. O campeão da temporada passada, mesmo com carro avariado conseguiu pressionar seu parceiro de equipe e efetuar corajosa manobra de ultrapassagem para assumir a quinta colocação.
Outro foco de disputa se desenhava na sétima posição com Wendel George sendo seguido de perto por Emerson Czerkawsky e Carlos Barreto. No fim da reta principal Czerkawsky se lançou para fazer ultrapassem sobre Wendel, contudo a manobra de ultrapassagem foi concluída apenas parcialmente, pois o Clio de Emerson chegou muito veloz na chicane e tocou o anti cut vindo a capotar de forma espetacular.
Na volta seguinte Anderson Medeiros também sofreu ao passar por um anti cut na mesma chicane e viu seu carro sob duas rodas. Melhor para Leandro Werle, que perseguia o piloto de perto e assumiu a segunda colocação.
Com a corrida se aproximando do fim, Gustavo Frigotto e Caio Russi, embora em pontas opostas do grid, por estarem com pista livre a sua frente estabeleceram uma disputa acirrada para ver quem ficava com a volta mais rápida da bateria. E quem levou a melhor foi o bicho papão da categoria, Gustavo Frigotto ficou com os pontos extras pela volta mais rápida (1:21.907) e o maior número de voltas lideradas (19) e, como não poderia deixar de ser venceu a segunda bateria com imensa tranqüilidade, sagrando-se assim, de forma antecipada o grande campeão da temporada.
Leandro Werle terminou em segundo, com Anderson Medeiros em terceiro fechando o pódio. Neto Silva completou a prova na quarta colocação, seguido por Wendel George, Atos Domani, Carlos Barreto, Caio Russi, Wagner Antonelo e Raphael Arqueti fechando o top 10.
Carlos Barreto garantiu a pontuação extra como top climber da bateria (16 posições).
Não completaram a etapa: Thiago Procópio, Tarso Marques, Rafael Borgosman, Diogo Souto, Ricardo Senior, Alisson Zanoni e Carlos Reina.

No dia seguinte ao evento a administração da liga aplicou as seguintes penalizações por excessos quanto ao uso da pista além de seus limites.
Punições da 2ª Bateria
Gustavo Frigotto = acréscimo de 20 segundos
Anderson Medeiros = acréscimo de 10 segundos
Emerson Czerkawsky = acréscimo de 5 segundos
Já computadas as penalizações o resultado oficial da 2ª Bateria foi:


No campeonato de pilotos Frigotto confirmou seu título, porém ainda há uma forte briga em aberto entre Caio Russi, Neto Silva e Carlos Barreto pela briga do vice campeonato.


No de equipes a Minardi Team HVM também saiu com o título sendo o terceiro título consecutivo de uma equipe da HVM Racing. 



A Vorc Series retorna no dia 07/04 para a última etapa do campeonato no circuito de Nurburgring na Alemanha.

Texto por Raphael Arqueti. 

VT da Etapa:

Leia Mais... ►

Duelo insano!


Duelo insano!, essa é a palavra para definir a etapa de Fontana valida pela segunda etapa da CART da VORC Series.
Quinze carros estavam presentes para a etapa, porém um ficou de fora.
Em um oval difícil e técnico, a corrida ficou marcada por ter sido praticamente inteira em bandeira verde, e campeonato vai para etapa final em Vancouver super embolado.

Quando o qualifing começou mal se imaginava que iria ser uma corrida fantástica, Thallison Santos (Herdez Competition) conseguiu fazer sua primeira pole desde seu retorno ao automobilismo virtual. Guto Rodrigues (Sinister Race Team) até então lider do campeonato dividiu a primeira fila, seguidos de Diego Said (Black Wings) e Pedro de Oliveira (BSP Racing)


As primeiras voltas foram bem tensas, Guto Rodrigues e Pedro de Oliveira fugiram do pelotão, com Bruno Miranda (BMRS Motorsports) e Diego Said num segundo, com vários pilotos brigando no terceiro pelotão, inclusive Thallison Santos que era o pole e levou a pior na largada.
Quando a corrida foi chegando na volta 50, o incrível aconteceu, se juntou boa parte dos pilotos em um único pelotão de 8 carros que foi deixando tudo muito movimentado com varias trocas de posições, pouco depois chegou a hora de começar os pits stops, Felipe Granado (Herdez Competition) e Emerson Czerkawsky (CTE Racing HVM) foram os primeiros a ir aos boxes, depois foi a vez de Thallison Santos e Caio Russi (WARacing) os demais foram parando, quem levou a melhor foi Pedro de Oliveira que fez uma boa parada, mas sozinho na frente logo o pelotão chegou novamente, mas desta vez sem Guto Rodrigues, Emerson Czerkawsky e Caio Russi que tiveram problemas em suas paradas.
Próximo do final Emerson Czerkawsky, Thallison Santos e Caio Russi tiveram de voltar aos boxes com problemas de combustivel.
Algrans Junior (Black Wings) assumiu a liderança na volta 75 de onde foi liderando boa parte do tempo, sendo ajudado por Diego Said que vinha no vácuo, até que na volta 91 Diego Said que havia perdido posições para Pedro de Oliveira e Bruno Miranda, acabou rodando na ânsia de não perder tempo e acabou causando a bandeira amarela a 30 segundo do fim da corrida, Said ainda voltou em quarto, enquanto Algrans Junior volta a vencer uma corrida depois de um bom tempo de jejum, Pedro de Oliveira foi o segundo e Bruno Miranda o terceiro


O Campeonato de pilotos vai para a ultima etapa com grande chances de um duelo épico, quatro pilotos praticamente empatados na classificação.
Guto Rodrigues ainda é líder do campeonato, com Pedro de Oliveira empatado, mas com a vitória de Guto ele é quem fica na frente.
Algrans Junior e Diego Said vem a apenas 1 e 2 pontos dos lideres.


No campeonato de equipes, a Black Wings segue líder agora com 20 pontos de vantagem para  BSP Racing, a Sinister vem em terceira no campeonato.


A grande final acontecerá dia 31 de Março, no emblemático circuito de Vancouver com base no traçado de 1997 um traçado super difícil que vai deixar um "Q" a mais a disputa pelo título.

VT Fontana



Leia Mais... ►

Frigotto dominante na terra do sol nascente!


A Vorc Series inaugurou a segunda metade da temporada da Clio Cup visitando o templo de Suzuka, que em seu reduzido traçado da versão East, acomodou (espremeu) os 27 pilotos que se fizeram presentes para disputar a tão desejada vitória em terras orientais.

Classificação

Apresentando o traçado mais curto da temporada, com tempo de volta abaixo de 1 minuto, já era de se esperar que a sessão de classificação fosse tensa e apenas definida nos últimos instantes. Quinze carros ficaram a menos de um segundo da volta do pole position. As atenções iniciais foram voltadas para Rafael Borgosman, Gustavo Frigotto e Caio Russi, pilotos que tem demonstrado extrema perícia para extrair nas duas voltas lançadas da qualificação o melhor de seus equipamentos. Contudo, a volta mais rápida da sessão ficou com a grata surpresa da noite, Thiago Procópio, mostrou força e encaixou uma belíssima volta em (0:54.535), marcando sua primeira pole na temporada e conquistando o ponto extra pela façanha.
Rafael Borgosman (0:54.565), Caio Russi (0:54.616), Gustavo Frigotto (0:54.667), Marcos Furriel (0:54.849), Samuel Pontes (0:54.967), Carlos Barreto (0:54.968), Israel Muffato (0:55.074), Wendel George (0:55.086) e Diogo Souto (0:55.108) foram os dez pilotos mais rápido.


1ª Bateria

Com o início da primeira bateria os carros entraram em ação e fizeram uma largada livre de maiores incidentes. Thiago Procópio não conseguiu otimizar os procedimentos de largada e encontrou dificuldades para tracionar seu Clio no momento correto, assim a vantagem construída pela pole position caiu por terra e o piloto foi engolido na largada por Rafael Borgosman, Caio Russi e Gustavo Frigotto, caindo assim para o quarto posto.
Rafael Borgosman assumiu a liderança, mas o ritmo dos ponteiros era muito parecido e o líder não conseguia abrir vantagem, os carros seguiam em fila indiana empurrando a traseira do carro da frente.  O primeiro piloto a colocar as ferramentas na mesa e assumir o risco de uma ultrapassagem foi Gustavo Frigotto; já na volta 2 o piloto demonstrou perícia ao jogar seu carro por dentro na curva 1 para ultrapassar Caio Russi, logo em seguida, com ímpeto incontido começou a pressionar o líder de forma contundente, pelo que ultrapassar Rafael Borgosman foi apenas uma questão de tempo. Por sua vez, Caio Russi aproveitou da manobra de Frigotto sobre Borgosman para também atacar o agora segundo colocado. Os pilotos dividiram várias curvas num respeitoso porta a porta, o que permitiu que Thiago Procópio também entrasse na disputa, além da aproximação de Marcos Furriel. Foram várias curvas lado a lado até que Caio Russi conseguiu prevalecer e assumir a segunda posição. Poucas voltas depois foi a vez de Thiago Procópio ultrapassar Borgosman, relegando o piloto da Fronzen ao quarto posto.
Na liderança Gustavo Frigotto seguia consolidando sua vantagem, enquanto a briga seguia alucinante entre Thiago Procópio, Rafael Borgosman, Samuel Pontes, Marcos Furriel e Israel Muffato. Nos instantes finais da corrida Borgosman encontrou uma oportunidade e se lançou para ultrapassar Procópio e assumir a terceira posição.
Ao término da primeira bateria a vitória ficou mesmo com Gustavo Frigotto, que conseguiu ainda levar o ponto extra pelo maior número de voltas lideradas (24), a segunda colocação foi para Caio Russi, com Rafael Borgosman fechando o pódio. Thiago Procópio (4º), Marcos Furriel (5º) e dono da volta mais rápida da corrida (0:54.500), Israel Muffato (6º), Wendel George (7º) e Samuel Pontes (8º) fecharam o top 8 que invertem o grid na segunda bateria.
O top climber da etapa foi Emerson Czerkawsky (15 posições)
Abandonaram por quebras o ou acidentes: Raphael Arqueti, Tarso Marques e Júnior Ferreira.



2ª Bateria

Com a inversão de grid Samuel Pontes e Wendel George dividiram a primeira fila e, desta vez, a maldição da âncora pairou sobre o piloto da HVM, que largou muito mal, e perdeu várias posições. Samuel Pontes largou bem e manteve a ponta, contudo sua corrida ficou duramente comprometida após Israel Muffato errar uma manobra de tentativa de ultrapassagem, colidir com o piloto da BSP e causar um tremendo salseiro no pelotão que se agigantava para cima do clio rodado na pista. Após o acidente Muffato acabou ficando com a liderança, seguido de perto por Gustavo Frigotto e Rafael Borgsman, que brigavam e trocavam de posição a cada volta, abrilhantando a etapa e demonstrando a enorme qualidade técnica dos pilotos.

Como de praxe a segunda bateria seguia mais movimentada e, desta vez também mais acidentada. Neto Silva, Endrigo de Castro de Roni Champ se envolveram em um acidente triplo e os pilotos foram parar no muro, danificando consideravelmente seus carros para a seqüência da corrida.
Decidido, Gustavo Frigotto não demorou muito a atacar e ultrapassar Israel Muffato para assumir a liderança. Rafael Borgosman, tentando não perder contato com o líder também forçou para assumir a segunda posição, contudo quase causou um acidente e precisou se recolher para estudar um melhor momento de ataque em outra oportunidade, e ela não demorou a aparecer; o piloto da Frozen tangenciou melhor a curva 0 e entrou na reta com mais ação para assumir definitivamente a segunda colocação. Nas voltas seguintes foi a vez de Caio Russi também passar o rolo compressor sobre Muffato e assumir o terceiro posto.
Restando 15 minutos para o fim da segunda bateria Caio Russi errou sozinho na curva zero, rodou e bateu de frente no muro, danificando significativamente seu carro e perdendo muitas posições. Poucos instantes depois foi a vez de Emerson Czerkawsky também danificar sua HVM em um acidente.
Briga interessante se desenhava na quarta posição, com Wendel George se defendendo por várias voltas dos ataques constantes de Marcos Furriel e Carlos Barreto. A briga se seguiu ate Wendel danificar a suspensão de seu Clio e abandonar a prova.
A corrida seguiu ate seus momentos finais com uma aula de pilotagem de Gustavo Frigotto, o piloto venceu as duas baterias da noite e abriu considerável vantagem na luta pelo título. Mais uma vez Frigotto ficou com o ponto extra por ter liderado o maior número de voltas da etapa (24), enquanto o ponto adicional pela volta mais rápida ficou com Rafael Borgosman (0:54.376) segundo colocado nesta última bateria. Fechou o pódio o piloto da HVM, Marcos Furriel.
Israel Muffato (4º), Carlos Barreto (5º), Diogo Souto (6º), Emerson Czerkawsky (7º), Tarso Marques (8º), Kleber Stippi (9º) e Enzo Sofiato (10º) fecharam o top 10.
O ponto extra de top climber da bateria ficou para Tarso Marques e suas 18 posições conquistadas.
Abandonaram por quebras o ou acidentes: Wendel George, Gilson Rodrigues, Endrigo de Castro, Ricardo Senior, Thiago Procópio e Anderson Medeiros.



Gustavo Frigotto segue lider do campeonato e disparou ainda mais a frente no campeonato com 236 pontos, abrindo 74 pontos com relação a Carlos Barreto que agora é vice lider do campeonato, Neto Silva segue em terceiro com Caio Russi vindo em quarto no campeonato.
Dependendo a combinação de resultados, Gustavo Frigotto já pode sair campeão de Gold Coast.




Já no campeonato de equipes a Minardi Team HVM segue lider com BSP Racing a 135 pontos atrás, com a Hot Car Competições em terceira n campeonato.




A Vorc Series retorna no dia 24/03 para a penúltima etapa do campeonato no circuito de Surfers Paradise no Austrália.



Texto por Raphael Arqueti. 

*Analises
Bateria 1
Kleber Stippi > Wendel George
Wendel foi considerado culpado pelo toque que ocasionou a rodada de Kleber Stippi. punição de 13 segundos

Bateria 2
Junior Ferreira > Enzo Sofiato
Enzo foi considerado culpado em ultrapassagem onde dá um toque em Junior o tirando do traçado e fazendo a ultrapassagem de forma irregular. punição de 5 segundos

Raphael Arquetti > Enzo Sofiato
Enzo foi considerado culpado pelo toque que ocasionou a rodada de Arquetti. Punição de 13 segundos

Gilson Rodrigues > Kleber Stippi
Kleber Stippi foi considerado culpado pelo toque que ocasionou o acidente de Gilson Rodrigues. Punição de 13 segundos

*Após pedido de revisão, A punição foi retirada por ser considerado inocente após reanalises por 2x1 a favor da absolvição

Advertência.
Caio Russi
Se envolver em disputas com outros carros estando em posição de retardatário.

VT da etapa:


Leia Mais... ►

Vitória por bobeira!!!!






A CART Series ingressou na grade da VORC Series neste dia 03 de Março, voltando a ter uma categoria americana, a corrida contou com um grid bom, considerando os problemas de ultima hora que varios pilotos e esquipes tiveram. O palco da estréia foi a lendaria pista de Elkhart Lake com seus 6.514 metros.

A pole ficou com Pedro de Oliveira (BSP Racing) que fez o tempo de 1:42.514, seguido de Diego Said (Black Wings RT) com 1:42.543.
Guto Rodrigues (Sinister) e Emerson Czerkawsky (CTE Racing HVM) completaram as duas primeiras filas.



Na largada Pedro de Oliveira saiu mal, e com isso Diego Said Assumiu a ponta até que Guto já na curva 5 dá o bote e pula para ponta, com Diego Said em segundo e Emerson Czerkawsky vindo em terceiro.
Uma volta depois Pedro de Oliveira consegue a ultrapassagem sobre Emerson Czerkawsky, deixando o polonês em quarto e fora do podio.
Na volta 3 Said reassume a ponta, por onde ficou atpe a volta 15, quando foi ao boxes e ao mesmo tempo que Pedro de Oliveira, com isso Caio Russi (WARacing) seria o lider, mas ainda sem ter feito seu pit stop, mas um erro de Pedro de Oliveira e Guto Rodrigues que voltavam dos boxes (Guto vinha de uma volta de retorno já) fizeram o impensavel e ultrapassaram Caio Russi e Diego Said com o Safety car já em pista, Guto ao perceber o erro devolveu as posições, porém Pedro não percebeu e acabou relargando na frente, Pedro Cruzou a linha de chegada em 1º porém com a punição de 13 segundos adicionada ao seu tempo caio para 4º, Guto Rodrigues acabou herdando a vitória da corrida, com Caio Russi em segundo e Diego Said em terceiro, ainda terminaram a prova, Marcelo Cosme em 5º e Algrans Junior que fechou em 6º.



A liderança do campeonato de pilotos é de Guto Rodrigues com 31 pontos, contra 27 de Caio Russi e 27 também de Diego Said que fez varios pontos extras.



No campeonato de equipes a Black Wings RT, salta a frente com 47 pontos, contra a BSP Racing com 41 e WARacing em terceira com 37 pontos.



Vt da Etapa Road America



A próxima etapa será no dia 17 de Março no circuito de Fontana

Leia Mais... ►