Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Esquentando a briga.


Entramos na reta final! A Vorc realizou nesta última quarta feira a penúltima etapa da T2/2017 do campeonato da Cart Series. Com as duas últimas corridas sendo disputadas em território norte-americano o palco da vez foi o circuito misto de Mid Ohio e suas sinuosas curvas em S e asfalto recheado de bumps. Na disputa pelo título Bruno Miranda e Diego Said chegaram para esta etapa com 13 pontos separando os dois pilotos. Quem será que levou a melhor? Confira abaixo no relato da corrida.

Classificação
Durante a sessão de classificação destaque absoluto para a volta voadora de Diego Said, o piloto foi o único a baixar da casa de um minuto e oito segundos e cravou a pole position com o incrível tempo de (1:07.818). Bruno Miranda, o líder do campeonato, foi o piloto que mais se aproximou e completou a primeira fila com excelente volta em (1:08.278), em terceiro Yannes Zola com o tempo de (1:08.820), seguido por Ricardo Prediger (1:08.858) e Pedro Ulisses (1:09.861). Rafael Gonçalves abriu a terceira fila largando na sexta posição registrando (1:09.975), tendo ao seu lado o piloto Wendel George (1:10.139). Fechando o top 10 Neto Silva (1:10.737) e Anderson Medeiros (1:10.958).
Nota: Levi Ávila, que havia registrado seu melhor tempo em (1:09.916), excedeu o limite máximo de voltas no qualy e foi penalizado, com isso o piloto largou na 18º e última posição.


 Corrida
Por motivos de segurança a largada lançada foi deslocada para a reta oposta e quando o safety car recolheu as bandeiras verdes foram agitadas dando início aos 50 minutos de prova. Os pilotos fizeram uma boa largada completando as duas primeiras curvas sem maiores incidentes, o único toque registrado na largada envolveu o piloto Wendel George, que foi atingido, acabou indo para a grama, mas conseguiu retornar à prova.

Diego Said e Bruno Miranda largaram muito bem e conseguiram manter suas posições. Yannes Zola e Ricardo Prediger completavam os quatro primeiros. Boa largada foi a de Neto Silva, o piloto ganhou três posições e agora ocupava a quinta colocação. Raphael Arqueti também conseguiu fazer várias ultrapassagens nos primeiros metros e conquistou seis posições na primeira volta.
Felipe Granado vinha na oitava colocação seguindo de perto Rafael Gonçalves e Ernesto Brock quando num pequeno erro acabou abrindo demais uma curva e acabou escapando para fora da pista, retornando na décima segunda posição.
O elevado nível de dificuldade para domar os carros de extrema potência entre as curvas de S e os bumps da pista ocasionavam alguns erros individuais.  Sabedores de que estavam andando na corda bamba os pilotos adotavam paciência e cautela ao tentar fazer ultrapassagens.
O primeiro abandono da noite foi registrado pelo piloto Wendel George, o piloto que vinha tendo dificuldades após um incidente na largada sofreu uma quebra de motor ao efetuar uma troca de marchas errada.
Nos primeiros oito minutos de prova Diego Said conseguiu construir uma vantagem de dois segundos e meio sobre Bruno Miranda, que por sua vez já tinha uma confortável vantagem de cinco segundos sobre Yannes Zola. Enquanto isso Rafael Gonçalves e Emerson Czerkawsky continuavam travando uma bela batalha pela quinta posição. Outro que se dava bem na prova era Levi Ávila, o piloto da Team Schnell, após ser punido e largar em último vinha fazendo excelente corrida de recuperação conquistando várias posições, chegando a ocupar a sétima colocação após bela manobra de ultrapassagem sob Ernesto Brock.
Ricardo Prediger também vinha se aproximando consideravelmente de Yannes Zola e agora passava a ameaçar seriamente o terceiro colocado.
Restando 36 minutos para o fim da prova, Levi Ávila cometeu um erro ao tentar atacar o sexto colocado e acabou causando uma colisão lateral. Com a batida o carro da Schnell ficou rodado na pista e foi acertado por outro piloto, perdendo o bico de seu carro e jogando assim fora todo progresso que havia conquistado.
Aos 34 minutos de prova a bandeira amarela foi agitada em todo o circuito e o safety car foi para a pista em virtude de um acidente envolvendo o piloto Paulo Maeda que ficou com seu carro parado em local perigoso na reta principal. Os pilotos aproveitaram o momento para antecipar as paradas de pit para reabastecimento e troca de pneus. Como optou por não parar durante a bandeira amarela Bruno Miranda assumiu a liderança.
A relargada se deu quando o cronômetro marcava 28 minutos para o fim da prova e, mais uma vez, os pilotos deram exemplo de respeito mútuo e retomaram o ritmo de prova sem provocar acidentes. Enquanto Diego Said imprimia forte ritmo para alcançar Bruno Miranda e não demorou muito para que o vice líder do campeonato reassumisse a ponta da corrida. Miranda, aliás teve uma estratégia de pits diferente dos demais pilotos e perdeu algumas posições, contudo o piloto voltou em bom ritmo e conseguiu se restabelecer em quarto, logo atrás de Emerson Czerkawsky.
Enquanto isso a disputa seguia quente na quinta colocação entre Raphael Arqueti, que havia acabado de ultrapassar Rafael Gonçalves e que agora era atacado por Yannes Zola. Gonçalves, até tentou uma manobra para retomar a quinta colocação, mas destracionou seu carro na parte suja da pista e acabou dando um leve toque no muro, entretanto foi o suficiente para que ele danificasse a suspensão de seu carro e precisasse se dirigir aos boxes para efetuar reparos. Mas o alívio de Arqueti não durou muito tempo, o piloto se viu pressionado por seu companheiro de equipe, Felipe Granado, e na tentativa de se defender dos ataques destracionou seu carro e precisou tirar o pé para não sair da pista. Granado, que vinha fazendo excelente corrida, se aproveitou do momento para assumir a quinta colocação e abrir vantagem.
A corrida seguiu para seu fim com a vitória de Diego Said, deixando viva a luta pelo título da categoria até a última etapa. Completando o pódio, em excelente corrida, apareceu Ricardo Prediger. Em terceiro Bruno Miranda, que conseguiu ultrapassar Emerson Czerkawsky nos momentos finais da corrida.
Na quinta colocação completou Yannes Zola, acompanhado de Felipe Granado, Ernesto Brock e Raphael Arqueti. Levi Ávila e Neto Silva completaram os dez melhores colocados.
Diego Said ainda levou os pontos extras pelo maior número de voltas lideradas (34) e pela volta mais rápida da corrida (1:09.212). O ponto extra para o top climber da corrida foi para Raphael Arqueti e Levi Ávila, ambos conquistaram 11 posições no transcorrer da prova.
Abandonaram em virtude de acidentes: Anderson Medeiros, Wendel George, Paulo Maeda, Wagner Antonelo, Lucas Berti, Pedro Ulisses e Rafael Gonçalves.

 No campeonato de equipes, Bruno Miranda continua na liderança porém Diego Said conseguiu ficar a apenas 4 pontos deixando a briga em total aberto para a ultima etapa.
Ricardo Prediger ainda continua com chances de titulos, mas precisa de uma combinação muito forte de resultados para sair com o titulo.

Já no de equipes, a Black Wings RT pula para  ponta, em uma briga que vai ser bem acirrada, já que a Team Schnell é vice lider apenas 3 pontos atrás e a BMRS Motorsports vem com 8 pontos de desvantagem.


A Cart Series volta no dia 07/06 para a última etapa do campeonato, no circuito oval de Fontana, Estados Unidos.
Texto por Raphael Arqueti.

VT da Etapa

Leia Mais... ►

Sobrevivência nas ruas francesas.


REPORTAGEM CLIO CUP

O claustrofóbico circuito de rua de Pau, na França, recebeu a segunda etapa da  Vorc Series Clio Cup. Com seu traçado extremamente técnico e estreito, dividindo espaço com calçadas e guard rails, as duas baterias se tornaram corridas de sobrevivência em que os pilotos tiveram que demonstrar muito talento e persistência para cruzar a linha de chegada.

 Classificação
Durante a sessão de classificação, em uma acirrada disputa pela pole, Ernesto Brock confirmou o bom desempenho demonstrado ao longo da semana de treinos e cravou a pole position e garantiu o ponto extra com impressionante volta na casa de (1:20.115), tendo ao seu lado o então líder do campeonato, Neto Silva, que registrou seu melhor tempo em (1:20.224).
Na segunda fila Alexandre Oliveira (1:20.685) teve a companhia de Carlos Reina (1:21.218); logo atrás vieram Gilson Rodrigues (1:21.253) e Emerson Czerkawsky (1:21.322). Na sétima posição apareceu Atos Domani (1:21.437), em oitavo Rodrigo Zanga (1:21.911) e fechando o grupo dos dez mais rápidos Lucas Berti (1:22.565) e Ricardo Senior (1:22.604).

 1ª Bateria
A primeira bateria teve início com Ernesto Brock encontrando dificuldades na largada e sendo ultrapassado por Neto Silva e Alexandre Oliveira. Os pilotos passaram pela primeira curva de forma cautelosa para evitar causar acidentes, contudo já na curva dois, ponto de uma frenagem forte com grampo acentuado à esquerda, Ricardo Senior, que largava pela décima posição perdeu o ponto de frenagem e, embalado, tirou o carro do traçado para não atropelar nenhum rival, mas não conseguiu evitar a forte batida na barreira de pneus e o consequente capotamento que provocou o bloqueamento parcial da pista.
Carlos Reina assumiu a terceira posição num erro de Ernesto Brock, o piloto da Paraguay Racing desequilibrou seu Clio tocando no guard rail e rodou sozinho na chicane, quase ao mesmo tempo Lucas Berti também cometia erro semelhante no mesmo ponto da pista. Por sorte os carros que vinham a atrás conseguiram desviar e os dois pilotos acidentados conseguiram retornar para a corrida sem maiores problemas.
Neto Silva seguia na liderança sendo pressionado por Alexandre de Oliveira, os dois líderes demonstravam ter um ritmo mais constante que os demais e abriam confortável vantagem. Quatro segundos atrás apareciam Carlos Reina, Emerson Czerkawsky e Gilson Rodrigues em boa briga pela terceira colocação, até que Czerkawsky bateu sozinho e precisou ir para os pits reparar seu Clio, abandonando assim a briga pelas primeiras posições.
Restando cinco minutos para o fim, Ernesto Brock em excelente corrida de recuperação, depois de ter caído para a décima quinta posição, conseguiu se recuperar e em bela manobra de ultrapassagem sobre Carlos Reina assumiu a quarta colocação.
Na briga pela vitória Alexandre Oliveira, chegava de vez em Neto Silva e a diferença entre os pilotos era de apenas 0.2 segundos, até que Neto Silva não resistiu a pressão e foi ultrapassado nos minutos finais. Neto ainda tentou apertar o ritmo para recuperar a liderança, mas o piloto da BSP cometeu dois erros consecutivos e acabou colidindo contra o guard rail e perdendo a roda dianteira direita de seu Clio foi obrigado a abandonar a corrida, com isso Atos Domani assumiu a segunda colocação e Ernesto Brock via se tornar real a possibilidade de subir ao pódio após uma corrida conturbada.
Depois de vinte e cinco minutos tensos de corrida Alexandre Oliveira levou a merecida vitória, com Atos Domani e Ernesto Brock completando o pódio. Na quarta colocação chegou Anderson Medeiros, em quinto Carlos Reina, logo atrás veio Raphael Arqueti em sexto. Wendel George apesar de ter se acidentado na volta final ainda conseguiu completar a bateria em sétimo e, Neto Silva, mesmo tendo abandonado, como estava uma volta à frente de muitos pilotos no grid ainda conseguiu terminar com a oitava posição, garantindo-lhe o direito de largar na pole da segunda bateria. Fecharam o top dez Emerson Czerkawsky e Lucas Berti.
Neto Silva ainda levou os pontos extras pelo maior número de voltas lideradas (16) e pela volta mais rápida da corrida(1:20.789)
O top climber da primeira bateria foi Anderson Medeiros, conquistando 12 posições.
Abandonaram em virtude de acidentes: Ricardo Senior, Bruno Mali, Felipe Granado, Rodrigo Zanga, Gilson Rodrigues, Neto Silva e Wendel George.

Punições:Bateria 1
Ernesto Brock - 60 segundos
Atos Domani - 10 segundos
Gilson Rodrigues - 15 segundos*
Rodrigo Zanga (#37) - 10 segundos*
Raphael Arquetti - 5 segundos
Anderson Medeiros - 5 segundos

 2ª Bateria
Quando as luzes verdes se acenderam teve início a segunda bateria da noite e Neto Silva largou bem e teve tranquilidade para manter a primeira posição.  Carlos Reina foi ousado e aproveitou-se de um pequeno erro de Wendel George na curva um para assumir a segunda colocação, contudo a felicidade do piloto durou apenas uma curva, pois na curva dois o piloto errou e bateu violentamente contra a barreira de pneus e foi obrigado a abandonar. O acidente fechou parcialmente a pista e desta vez múltiplas batidas aconteceram de forma secundária.
Com isso Wendel George reassumiu a segunda posição, seguido por Anderson Medeiros, Ernesto Brock e Raphael Arqueti na quinta posição, sendo bastante pressionado Emerson Czerkawsky e Alexandre Oliveira.
Com pista livre Neto e Wendel demonstravam bom ritmo e travavam uma bonita luta pela vitória separados por menos de um segundo, mas a noite não estava boa para o então líder do campeonato; mais uma vez Neto Silva bateu sozinho e deixou seu Clio sem a roda dianteira esquerda, com isso o piloto acumulou mais um abandono na noite e Wendel assumiu a liderança provisória da corrida seguido de perto por Anderson Medeiros e Ernesto Brock, que estava em uma noite inspirada e com muito talento achou espaço para ultrapassar a BSP de Medeiros e assumir a segunda colocação.
A briga pela vitória continuava quente e as reviravoltas continuavam acontecendo. Anderson Medeiros voltou à segunda posição após uma pequena escapada de Ernesto Brock. Já na quinta posição, depois de muito resistir e segurar o pelotão, Raphael Arqueti também cometeu um pequeno erro individual e abriu espaço para a ultrapassagem de Alexandre Oliveira.
Restando onze minutos para o fim mais uma troca na liderança. Anderson Medeiros se aproveitou de um descuido de Wendel George para assumir a ponta, o piloto da Paraguay inclusive precisou ir aos boxes para efetuar reparos em seu Clio e caiu para a oitava posição. Medeiros conseguiu se sustentar na ponta por alguns minutos, mas foi bastante pressionado por Ernesto Brock e acabou sucumbindo restando seis minutos para o fim.
Mas ocupar a posição de líder estava trazendo um peso muito grande para os pilotos e mais uma vez o líder errou sozinho, Brock perdeu o ponto de frenagem na curva um e bateu de frente na barreira de pneus, o piloto ainda conseguiu seguir na prova mas perdeu a liderança novamente para Anderson Medeiros; só que inacreditavelmente o piloto da BSP também errou sozinho e bateu segundos após ter assumido a liderança, com isso o piloto precisou abandonar a corrida e a liderança caiu no colo de Alexandre Oliveira.
As posições seguiram inalteradas até o fim e Alexandre Oliveira sagrou-se o grande vencedor da noite, levando as duas baterias. Em segundo lugar chegou Ernesto Brock e completando o pódio Atos Domani. Na quarta colocação Raphael Arqueti, seguido por Emerson Czerkawsky, Wendel George, Felipe Granado e Anderson Medeiros. Fechando o top 10, Rodrigo Zanga e Bruno Mali.
A volta mais rápida da bateria ficou com Ernesto Brock (1:20.983)
Os pilotos que mais voltas permaneceram na liderança foram Anderson Medeiros, Neto Silva, Alexandre Oliveira e Wendel George com 4 voltas cada.
Os top climbers da bateria foram Alexandre Oliveira e Felipe Granado, conquistando 9 posições cada.
Abandonaram em virtude de acidentes: Carlos Reina, Lucas Berti, Gilson Rodrigues, Marcelo Cosme, Ricardo Senior, Neto Silva, Wagner Antonelo, Rodrigo Zanga e Anderson Medeiros.
Punições:Bateria 2
Ernesto Brock - 65 segundos
Raphael Arqueti - 10 segundos
Rodrigo Zanga (#37) - 35 segundos*
Felipe Granado - 5 segundos
Alexandre Oliveira - 10 segundos
Wendel George - 10 segundos

Observações:
Por terem abandonado as respectivas baterias e não ter sido possivel adicionar as punições esses pilotos ficam com impossibilidade de fazer qualifing na próxima etapa.
Gilson Rodrigues
Rodrigo Zanga (Estava em substituição caso o mesmo não participe da etapa, a punição fica para o carro de #37)

 Campeonato de pilotos
Após a rodada dupla no Circuit de Pau, Atos Domani, assumiu a ponta do campeonato com 4 pontos de vantagem para Anderson Medeiros. Ernesto Brock vem em terceiro empatado com Emerson Czerkawsky


No de equipes a BSP Racinh pula para a ponta com 11 pontos de vantagem para BSP racing 2, seguidos da HVM Racing (Paraguay Racing AV)
A VORC Series retorna no dia 02/06 para a etapa de Okayama, no Japão, certamente para mais duas baterias eletrizantes. Até lá pilotos!



Texto por Raphael Arqueti.



VT da Etapa

Leia Mais... ►

Do calor do Rio de Janeiro, ao calor das disputas.


A Vorc realizou nesta última quarta feira, em terras brasileiras, a segunda etapa do campeonato da Cart Series e o palco desta emocionante disputa foi o saudoso circuito de Jacarepaguá, em seu traçado oval, batizado de Emerson Fittipadi. A pista oferece uma interessante mescla de curvas, sendo duas delas feitas em altíssima velocidade, nos moldes dos circuitos ovais e outras duas com características de circuito misto, bem fechadas, com forte frenagem e reduções de marcha.

Classificação
Durante a sessão de classificação vimos um dominante Bruno Miranda acelerar fundo e cravar a pole em 39.630, seguido de perto por Diego Said (39.872) e Pedro França (39.941), únicos pilotos a girarem na casa de 39 segundos.
Na quarta colocação largou Rafael Gonçalves (40.211), em quinto Levi Ávila (40.269), logo a frente de Yannes Zola (40.377) sexto colocado. Na quarta fila Emerson Czerkawsky (40.406) e Rodrigo Oliveira (40.426) e fechando o grupo dos dez pilotos mais rápidos, Dann Murilo (40.443) e Ricardo Prediger (40.594).


Corrida
Antes do início da prova, ainda durante a volta de apresentação, num breve momento de falta de concentração, Rodrigo Oliveira reacelerou bruscamente seu carro, provavelmente buscando o melhor aquecimento dos pneus, mas acabou errando a mão da manobra e bateu na traseira de Yannes Zola, perdendo o bico de seu carro e precisando voltas aos boxes para efetuar os reparos.
Quando o safety car recolheu e as luzes verdes se acenderam a largada se deu de forma tranquila. Bruno Miranda se manteve por um curto momento na liderança sendo pressionado por um Diego Said bem posicionado se aproveitando do vácuo para no início da volta dois fazer a ultrapassagem.
Ricardo Prediger, em espetacular largada pulou de décimo para terceiro, enquanto Levi Ávila ganhou uma posição e se colocou em quarto. O breve momento de disputas acirradas na pista foi interrompido pela primeira bandeira amarela da noite, Rodrigo Garcia causou um acidente de grandes proporções ao errar o ponto de frenagem de uma curva e bater forte contra os carros de Dann Murilo, Emerson Czerkawsky e Paulo Maeda. Garcia ainda bateu contra o muro e capotou, provocando a entrada do carro de segurança.
A corrida foi retomada restando 40 minutos para o encerramento da prova, e ao agitar da bandeira verde Bruno Miranda relargou melhor que Diego Said e mergulhou já na primeira curva para retomar a liderança. Em bandeira verde a corrida novamente não durou mais que duas voltas; os pilotos estavam encontrando dificuldades para encontrar o ponto correto de frenagem nas curvas de baixa e os acidentes seguiam acontecendo. Desta vez Dann Murilo bateu na traseira de Wagner Antonelo e perdeu a roda e logo em seguida Wendel George foi quem passou reto e acertou em cheio a traseira de Pedro França, perdendo as asas dianteira e traseira, causando assim nova entrada do safety car.
Na segunda relargada da noite Diego Said apareceu novamente à frente de Bruno Miranda, no inicio da prova os dois pilotos demonstravam ter mais condições de se destacar e brigar pela vitória e ficavam se alterando na liderança.
Restando 34 minutos para o fim da prova o carro de Neto silva destracionou sozinho na saída da curva 2 e rodou na pista, enquanto Pedro de Oliveira, que vinha logo atrás não conseguiu desviar e ambos colidiram. Com o acidente Neto Silva perdeu o bico do carro e tentou levar seu veículo até os pits, contudo antes que pudesse chegar o piloto acabou escapando reto e batendo contra o muro, perdendo desta vez sua asa traseira e acionando novamente a bandeira amarela em todo o circuito.
Na relargada Pedro França, que estava posicionado em pista logo atrás dos dois líderes, mas de fato estava uma volta atrás, aproveitou a bandeira verde e fez um movimento ousado para ultrapassar os ponteiros e retirar a volta que estava em desvantagem. A presença de Pedro França logo a frente do líder causou certo alvoroço na corrida, pois o piloto não tinha ritmo para abrir dos ponteiros, com isso o pelotão se agrupou e Levi Ávila se assanhou para fazer ultrapassagem e assumir a segunda posição, quase no mesmo instante uma batida envolvendo dois dos postulantes à vitória; Diego Said e Ricardo Prediger. O piloto da Schnell chegou muito forte no ponto de frenagem, tentou jogar seu carro para esquerda para evitar uma colisão com Said, mas logo a sua frente vinha outro carro e Prediger fez novamente o movimento para a direita, deixando Said sem possibilidade de reação. A colisão foi responsável pelo quarto safety car da noite.
Sem a perseguição de Diego Said, Bruno Miranda se viu livre na relargada para impor um ritmo forte e abrir vantagem sobre Levi Ávila, o segundo colocado. A corrida enfim fluía por mais tempo em bandeira verde, as disputas de posição aconteciam sem maiores problemas e, Emseron Czerkawsky, em excelente corrida de recuperação conseguia assumir a terceira posição nos dezoito minutos finais de prova.
A corrida encaminhava-se para seus treze minutos finais quando Levi cometeu um pequeno erro e abriu uma brecha para que Emerson aproveitasse da situação e assumisse o segundo posto, seguido bem de perto por Pedro de Oliveira.
Wagner antonelo e Rodrigo Oliveira na disputa pela sétima posição se enroscaram em uma batida forte e pela quinta vez o carro de segurança precisou entrar na pista.
Na relargada Bruno Miranda se deu bem e deixou um retardatário (Pedro França) entre ele e os demais pilotos que degladiavam-se pela segunda posição. A presença incomoda do retardatário num ponto tão crítico de disputa de posições cobrou seu preço e mais um acidente de grandes proporções ocorreu nos cinco minutos finais. Emerson Czerkawsky tentava se livrar do retardatário quando França bateu em sua traseira, jogando a HVM de Emerson contra o muro. Também danificado Pedro França ainda se envolveu em outro acidente quase que imediatamente; o piloto seguiu lento na pista enquanto Tarso Marques contornava uma curva de alta e não teve tempo de desviar do retardatário, acertando em cheio seu carro e provocando mais uma bandeira amarela em todo o circuito. Outros pilotos também não conseguiram desviar dos destroços e também de envolveram em acidentes menores.
O safety car recolheu para que os pilotos tivessem a ultima volta de prova sob bandeira verde e apesar de os pilotos terem sido arrojados para tentar ganhar alguma posição no final a última volta ocorreu sem incidentes.
Bruno de Oliveira então sagrou-se o grande vencedor da noite, registrando ainda o maior número de voltas lideradas (38), em segundo lugar Pedro de Oliveira e completando o pódio Ricardo Prediger. Em quarto lugar chegou Rafael Gonçalves seguido por Diego Said e Yannes Zola; em sétimo Paulo Maeda, oitado Emerson Czerkawsky, nono Levi Ávila, detentor da melhor volta da corrida (40.296) e completando os dez primeiros Silvio Cividini.
Abandonaram: Tarso Marques, Pedro França, Rodrigo Garcia, Rodrigo Oliveira e Dann Murilo.
A Cart Series volta no dia 24/05 para a terceira etapa, iniciando a reta final do campeonato, no circuito de Mid Ohio, Estados Unidos.

 Bruno Miranda dispara na liderança do campeonato com 65 pontos, Diego Said segue na vice liderança mas agora 13 pontos atras, e Ricardo Prediger ainda em terceiro mas agora empatado com Levi Avila seu companheiro de equipe.

A BMRS Motorsports assumiu a liderança do campeonato de equipes, Black Wings RT vice lider, seguida da Team Schnell que caiu para terceira no campeonato de equipes.


Texto por Raphael Arqueti. 

Protestos e Punições
Diego Said > Ricardo Prediger
Prediger punido em 13s conforme o regulamento, ao bater em Said ainda que sem intenção, causou prejuízo a Said

Paulo Maeda > Tarso Marques
Advertência Tarso Marques, o incidente não causou um acidente, porém o piloto fica de observação após o incidente. Situação que seria totalmente resolvida conversando no pós race e não com protesto.

Paulo Maeda > Neto Silva
Em ovais os pilotos não são obrigados a dar passagem, cabe o bom senso, no lance reclamado houve uma divisão de curva na 1 nenhum toque ou acidente.

Emerson Czerkawsky > Pedro França
Pedro França punido ao bater em Czerkawsky ainda mais sendo retardatário, como houve abandono o piloto ficará sem qualificação na proxima etapa. (Caso o piloto não compareça a etapa a punição fica para o carro #99 cujo ele fazia substituição)


VT da Etapa

Leia Mais... ►

Um quase oval, mas a emoção foi de um!


Sejam todos novamente bem vindos! A Vorc Series deu início à T2 2017 da Clio Cup. Com visual repaginado a liga trouxe para seus pilotos um novo mod com física de pneus modelada especificamente para o simulador Automobilista. O desafio de compreender o comportamento e as necessidades do novo carro deu uma embaralhada no grid, deixando a corrida inaugural no anel externo de Curitiba muito competitiva e democrática.

 Classificação
A sessão de classificação, com apenas duas voltas lançadas para cada piloto, aumenta a pressão e não permite erros. Neste cenário o piloto que melhor conciliou precisão e velocidade foi Pedro de Oliveira, o piloto marcou a pole position com o tempo de (50.593) e de quebra ficou com o ponto extra conferido ao detentor da posição de honra no grid.
A seu lado, compondo a primeira fila, esteve Anderson Medeiros (50.739). Logo atrás a segunda fila foi composta por Marcos Furriel (50.851) e Neto Silva (50.874). Em quinto largou Gilson Rodrigues (51.049), seguido por Ricardo Senior (51.107), Ernesto Brock (51.344), Carlos Reina (51.398), Atos Domani (51.502) e Emerson Czerkawsky (51.518) completando o grupo dos dez mais rápidos.


1ª Bateria
Quando as luzes verdes se acenderam Pedro de Oliveira largou bem e conseguiu manter a ponta. Embora Anderson Medeiros tenha emparelhado e feito a chicane lado a lado, o líder conseguiu prevalecer e manter a liderança.
A largada se deu sem acidentes e os carros completaram a primeira volta com comportamento exemplar.
Na segunda volta, em disputa pela segunda e terceira posições, Gilson Rodrigues aproveitou o vácuo para atacar Neto Silva e Anderson Medeiros jogando seu carro por dentro na freada da chicane, contudo o piloto chegou forte demais na curva e não conseguiu segurar seu Clio no freio, batendo na lateral de Anderson, empurrando seu carro para a grama, o piloto ainda voltou para a pista trocando tinta de seu Clio com Gilson, mas acabou indo para fora da pista nvoamente e perdendo muitas posições. Neto Silva, tentando se livrar do salseiro precisou tirar o pé e com isso Gilson acabou assumindo a segunda colocação. Em seguida, Ernesto Brock se aproveitou do momento de instabilidade no ritmo dos ponteiros e ultrapassou Neto Silva para assumir a terceira posição.
Os pilotos seguiam trabalhando o vácuo para decidir as ultrapassagens nas frenagens e foi assim que Carlos Reina conseguiu ultrapassar Marcos Furriel para conquistar a quinta posição. Da mesma forma Neto Silva conseguiu se recuperar sobre Ernesto Brock para reassumir a terceira colocação.
Restando 18 minutos para o fim da bateria o líder, Pedro de Oliveira, cometeu um erro sozinho ao tocar um anti cut da pista e perdeu momentaneamente o controle de seu carro. O piloto voltou para a pista, mas acabou caindo para a quarta posição, exatamente a frente da maior briga do momento, que evolvia Carlos Reina, Marcos Furriel e Emerson Czerkawsky. Neste momento Reina errou a tangência da curva zero, abriu demais e foi jogado contra o muro, danificando seu carro e perdendo muitas posições.
O ritmo intenso de prova fazia com que os erros individuais aparecessem sempre que alguém tentava ir um pouco além do limite. E foi assim, num erro de Neto Silva, que Ernesto Brock conseguiu novamente assumir a segunda posição, colocando agora em sua alça de mira o líder Gilson Rodrigues.
Pedro de Oliveira, tentando se recuperar do prejuízo causado pelo seu erro, veio reconquistando terreno e com ritmo mais forte encostou nos líderes. Neto Silva foi sua primeira vítima, nas voltas seguintes quem sucumbiu a seus ataques foi Ernesto Brock, mas não sem antes oferecer muita resistência; assim Pedro de Oliveira assumia a segunda posição e via crescer novamente suas chances de vitória.
Gilson Rodrigues, que havia aproveitado bem os momentos de liderança em virtude dos problemas enfrentados pelos pilotos que estavam com ritmo mais forte nesta bateria, não teve forças suficiente para se manter e perdeu a liderança para Pedro de Oliveira; logo após cometeu um erro e foi ultrapassado também por Ernesto Brock e Neto Silva.
E assim a primeira bateria se encaminhou para o fim, com Pedro de Oliveira conquistando a vitória para a BSP, dividindo com Gilson Rodrigues o maior número de voltas lideradas, em segundo lugar a HVM de Ernesto Brock e fechando o pódio, Neto Silva. Em quarto completou Gilson Rodrigues seguido por Lucas Berti, Atos Domani, Emerson Czerkawsky e Raphael Arqueti, fechando assim grupo dos oito primeiros que invertem o grid para a segunda bateria.
O ponto extra pela volta mais rápida da primeira bateria ficou com Pedro de Oliveira (50.654)
O top climber da etapa foi Lucas Berti, conquistando 6 posições.
Não houve abandonos.


2ª Bateria
Com a inversão de grid para a segunda bateria Raphael Arqueti e Emerson Czerkawsky dividiram a primeira fila. Logo atrás vieram Atos Domani e Lucas Berti. Na terceira fila Gilson Rodrigues e Neto silva, na quarta fila Ernesto Brock e Pedro de Oliveira.
Assim como na primeira bateria os pilotos se respeitaram e fizeram um inicio de prova sem acidentes. Raphael Arqueti largou bem e manteve a liderança seguido por Emerson Czerkawsky, Neto Silva e Lucas Berti, que logo na segunda volta conseguiu fazer duas ultrapassagens e pular para a segunda colocação. Contudo, a alegria do piloto durou pouco, logo após ser novamente ultrapassado por Emerson Czekawsky, Lucas Berti errou o ponto de frenagem, tocou no carro da HVM, acabou rodando e batendo forte nos muros do circuito de Curitiba; com isso o piloto se viu forçado a abandonar a prova em virtude dos danos na suspensão de seu Clio.
Nas voltas seguintes Neto Silva emparelhou com Raphael Arqueti na reta principal e os pilotos dividiram a chicane, com o piloto da BSP completado a ultrapassagem. Emerson Czerkawsky aproveitou da manobra de Neto e também mergulhou para dividir a chicane com Arqueti, que acabou trocando tinta com Emerson, que chegou a ficar com seu Clio de lado na pista; com isso Arqueti teve que tirar o pé para não terminar de rodar o carro de Emerson e perdeu várias posições para os pilotos que vinham logo atrás.
As disputas por posições seguiam acirradas, com alguns toques e porta a porta. E neste cenário Ernesto Brock e Pedro de Olivera acabaram se tocando, com o piloto da BSP levando a pior, ficando rodado na pista com seu carro na contramão.
Na briga pelas primeiras posições Carlos Reina, que vinha em quarto, errou na entrada da curva zero ao tentar manobra sobre Neto Silva e Anderson Medeiros, com isso o piloto foi mais um a bater forte no muro e sofrer grande prejuízo. Emerson Czerkawsky, com bom ritmo assumiu a liderança restando quinze minutos para o fim da etapa, mas logo em seguida começou a sofrer forte pressão de Anderson Medeiros, que havia conseguido se desgrudar um pouco da disputa que antes vinha travando com Neto Silva.
A pressão de Anderson em cima do líder era tamanha que depois de muitas voltas resistindo Emerson acabou errando num pronto de frenagem e deu uma pequena escapada, brecha suficiente para o piloto da BSP assumir a liderança. Emerson ainda tentou atacar bravamente nas voltas seguintes ensaiando novos ataques e quase completando a ultrapassagem, mas Anderson soube resistir.

Enquanto isso Raphael Arqueti e Marcos Furriel disputaram intensamente por várias voltas a sexta posição. Furriel chegou a ultrapassar na chicane, tomou o troco de Arqueti na curva zero, mas conseguiu entrar bem no vácuo da reta principal para consolidar a sua ultrapassagem novamente na chicane.
A corrida se encaminhou para o fim com a vitória de Anderson Medeiros, com Emerson Czerkawsky em segundo (ambos dividindo o maior números de volta na liderança), em terceiro Neto Silva, seguido por Gilson Rodrigues, Marcos Furriel, Raphael Arqueti, Atos Domani, Ricardo Senior, Ernesto Brock e Pedro de Oliveira fechando os dez primeiros.
Os pontos extra pela volta mais rápida (50.859) e top climber (8 posições) ficaram com Anderson Medeiros.
Abandono apenas o de Lucas Berti (suspensão).


No campeonato de pilotos Neto Silva assumiu a liderança após duas baterias sendo constante, Anderson Medeiros se colocou em segundo na classificação e Gilson Rodrigues em terceiro!


No campeonato de equipes, a BSP Racing assumiu a liderança do campeonato com a sub-equipe 2 vindo na vice liderança e a HVM Racing com o terceiro lugar na classificação.


 A vorc series volta dia 19/05 com a etapa de Pau, na França, certamente para mais duas baterias eletrizantes. Até lá pilotos!

Texto por Raphael Arqueti. 

VT da etapa

Leia Mais... ►

Vitória nas ruas da Praia Grande!!!



Depois de um breve intervalo a Vorc Cart Series está de volta para a T2/2017. O campeonato será disputado em tiro curto, com quatro etapas de tirar o fôlego. E para dar boas vindas a esta nova temporada foi escolhido o circuito de rua de Long Beach (Estados Unidos), representando um enorme desafio para os pilotos domarem estas feras de quase 900hp com motor V8 Turbo enquanto disputam posições entre os apertados muros do circuito.

Classificação
Durante a sessão de classificação destaque para a pole position de Diego Said (52.164) que travou acirrada disputa com Bruno Miranda (52.203) e Cristiano Bohessef (52.396). O trio ainda teve a companhia de Marcos Furriel (52.848) andando abaixo dos 53 segundos.
Dann Murillo (53.160) ficou com a quinta posição e abriu a terceira fila. Ao seu lado largou Victor Espíndola (53.374), seguido por Rafael Gonçalves (53.823), Ricardo Prediger (53.874), Emerson Czerkawsky (54.014) e Silvio Cividini (55.361) fechando o top 10.


Corrida
Os pilotos partiram para a volta de apresentação e, ao recolhimento do safety car, foi dada a largada. Diego Said acabou fazendo uma largada conservadora, foi atacado e caiu para terceiro. Bruno Miranda e Cristiano Bohessef aproveitaram a oportunidade para assumir a primeira e segunda posição respectivamente.
O restante do grid também fez uma largada exemplar. Os pilotos não se afobaram e fizeram as primeiras curvas sem registrar nenhum acidente. Contudo, tão logo os carros se encaixaram em seus espaços e os pilotos começaram a se sentir confortáveis para apertar o ritmo e planejar ultrapassagens os primeiros incidentes começaram a acontecer. Marcos furriel foi a primeira vítima dos muros de Long Beach, o piloto se acidentou sozinho, perdeu as duas asas de seu carro e teve muita dificuldade para conduzir até os boxes.
Na briga pela liderança Bruno Miranda era seguido de perto por Cristiano Bohessef e Diego Said; os três pilotos demonstravam claramente ter ritmo superior aos demais adversários e gradativamente começavam a se desgarrar do pelotão.
Bohessef forçando o ritmo acabou errando o ponto de frenagem e bateu de frente no muro, por sorte o piloto não danificou muito seu carro e conseguiu seguir na corrida, mas como conseqüência de seu acidente o piloto foi ultrapassado por Said e passou a receber pressão de Dann Murillo.
Na quinta posição também havia briga das boas, Rodrigo Garcia, Victor Espíndola e Ricardo Prediger seguiam separados por menos de um segundo.
Restando 44 minutos para o fim da corrida Marcos Furriel envolveu-se em novo acidente e desta vez o piloto se viu forçado a abandonar. Por questões de segurança foi necessária a entrada do safety car, com isso o pelotão se compactou mais uma vez.
Na relargada Bruno Miranda manteve a ponta, Cristiano Bohessef conseguiu se recuperar e pulou novamente para segunda colocação, já Diego Said teve problemas de ritmo novamente durante a relargada e perdeu a terceira posição para Ricardo Prediger.
Na luta pela quarta posição Victor Espíndola ensaiava uma pressão contra Rafael Gonçalves, mas o piloto acabou errando sozinho ao forçar e bater contra o muro; seu carro ficou bastante danificado e bloqueou momentaneamente a pista, causando uma colisão secundária entre seu carro e outros três pilotos que vinham logo atrás na pista (Levi Ávila, Emerson Czerkawsky e Raphael Arqueti).
Os contornos da corrida projetavam uma briga intensa pela vitória entre os pilotos Bruno Miranda e Cristiano Bohessef, contudo uma infelicidade; Bohessef acabou dividindo curva com um retardatário e acabou sendo prejudicado; a colisão entre os carros acabou acontecendo e Bohessef ainda foi jogado no muro, danificando significativamente seu carro custando-lhe várias posições e, futuramente, seu abandono.
Com Bruno Miranda seguindo a passos firmes rumo a vitória, a disputa mais importante em pista se tornou a pela segunda colocação. Ricardo Prediger entrou na alça de mira de Diego Said, demonstrando ter mais carro para a parte final da corrida o piloto da Black Wings estudou o melhor momento e conseguiu concretizar a ultrapassagem em uma manobra por fora sobre Prediger nos minutos finais.
A última disputa da noite foi pela sétima posição, com Emerson Czerkawsky pressionando o piloto da Sinister, Rodrigo Garcia e encontrando dificuldades para fazer a ultrapassagem. Contudo, num lance cerebral, Czerkawsky notou aproximação do líder da corrida para aplicar-lhe uma volta; o piloto da HVM abriu para o líder e ficou embutido na sua traseira, quando Rodrigo Garcia recebeu bandeira azul e foi obrigado a ceder passagem para o líder, a HVM de Czerkawsky mergulhou junto aproveitando o momento para fazer a ultrapassagem.
E assim a corrida seguiu para seu fim, com Bruno Miranda conquistando a vitória e ficando também com o maior número de voltas lideradas (54), em segundo Diego Said, dono da melhor volta (52.853), completando o pódio Ricardo Prediger. Em quarto Dann Murillo, seguido por Levi Ávila e Raphael Arqueti. Em sétimo, Emerson Czerkawsky, acompanhado de perto por Rodrigo Garcia, Victor Espíndola e Rafael Gonçalves para fechar o Top 10.


Os top climbers da etapa foram Levi Ávila e Raphael Arqueti, ambos conquistando sete posições ao longo da corrida.

Bruno Miranda já começa como lider do campeonato. Said vem como vice lider do campeonato.

A Team Schnell assumiu a ponta do campeonato após os bons resultados da primeira etapa

A Cart Series volta no dia 10/05 para a segunda etapa, desta vez em terras brasileiras, no circuito de Jacarepaguá.
Texto por Raphael Arqueti. 





Leia Mais... ►